in ,

Coronavírus – acompanhe sobre a atual epidemia

O novo coronavírus é o responsável pela atual epidemia no país e no mundo. Essa nova versão da família, surgiu na China e teve seu primeiro caso confirmado dia 31 de dezembro de 2019. Por se tratar de uma versão inteiramente nova, as pessoas não sabiam com o que estavam lidando, e os casos era diagnosticados como uma pneumonia grave. Porém, após mais testes, foi descoberto que se tratava de um novo tipo de vírus. Então, a população começou a ser alertada para que o máximo de cuidados pudessem ser adotados.

Publicidade

Assim como o primeiro caso de contágio foi confirmado na cidade de Wuhan, a primeira vítima também. Um senhor veio a óbito após uma pneumonia grave e um choque séptico. Alguns sintomas, então, são semelhantes a esse doença, porém vai além do que já conhecemos. A cidade possui aproximadamente 11 milhões de pessoas, o que se torna muito difícil o contato social. Muitos casos de contágio e mortes foram registrados, iniciando um surto por todo mundo.

Em pouco tempo começaram a surgir casos em toda cidade, país e outros países, inclusive no Brasil. Isso porque, o poder de transmissão do novo coronavírus é muito forte. Apesar de não se saber ao certo como o vírus chegou até o ser humano, já se sabe sobre a transmissão entre eles. Isso permitiu, então, que medidas preventivas fossem divulgadas. Separamos tudo para você nesse artigo!

O que é o novo coronavírus?

A família coronavírus conta com algumas versões anteriores do vírus. Essa porém, possui características totalmente diferentes das anteriores. Então, nem a população, nem os pesquisadores sabem com o que estão lidando. Isso explica a falta de informações ou a situação de ainda não existir medicamentos e vacinas específicas.

Quais os sintomas de uma pessoa infectada?

Os sintomas podem se manifestar de maneiras diferentes em cada pessoa. Ao contrário, então, do que muitas pessoas pensam, os sintomas não são apenas gripais. Além disso, é preciso reforçar que a doença COVID-19 não se trata de uma gripe comum. Os sintomas podem variar de acordo com a idade, estado de saúde e gravidade do caso.

Publicidade

Em casos mais leves os sintomas apresentados podem ser:

  • Tosse
  • Febre
  • Coriza
  • Dificuldade para respirar

Em casos mais graves, o paciente pode apresentar os seguintes sintomas:

  • Insuficiência respiratória e falta de ar;
  • Pneumonia
  • Insuficiência Renal

Como prevenir a transmissão e contágio do novo coronavírus – causador da doença COVID-19?

Apesar de nãos e saber sobre a transmissão do vírus ao ser humano, sabe-se sobre a transmissão entre a população. Essa transmissão, então, acontece através do contato social. Isso explica o que por que de tanto se ouvir falar sobre a necessidade de evitar aglomerações. Também para conter o surto, aeroportos, lugares e eventos que proporcionam aglomeração foram cancelados.

  • Evite aglomerações, permaneça em casa: a primeira e principal recomendação é saide de casa apenas em situações extremamente emergenciais.
  • Lavar as mãos com água e sabão: a higienização das mãos é necessários e deve ser feito de maneira frequente.
  • Cobrir nariz e boca para espirrar ou tossir: utilizar uma toalha ou tampar a boca com o braço ao espirrar.
  • Utilize álcool em gel 70%: a utilização do álcool em gel é extremamente necessário, para aumenta a assepsia das mãos.

Apesar de todas as medidas de assepsia, é extremamente importante que no momento se permaneça em casa. Essa é , portanto, a única maneira eficiente de conter o atual surto de transmissão do vírus.

Quais pessoas estão mais vulneráveis a doença?

A vulnerabilidade em ser infectado é para todas as pessoas. Isso significa que pessoas de todas as idades podem ser infectadas e transmitir a doença. O que varia, então, é a taxa de mortalidade que essa doença tem causado. Pessoas idosas, então, possuem menos capacidade de reversão de caso. Por isso a taxa de mortalidade na terceira idade é maior. Além dos idosos, pessoas com problemas respiratórios e fumantes também estão no grupo de risco. Isso porque, o novo coronavírus ataca justamente o sistema respiratório.

Publicidade

O que fazer caso tenha os sintomas da doença COVID-19?

Muitas pessoas não sabem como agir quando apresentam os sintomas. É preciso, então, ter muita atenção. Caso seja apresentado apenas sintomas gripais comuns, é recomendado que permaneça em casa em repouso ingerindo muita água. Porém, caso apresente febre alta ou dificuldade para respirar é importante buscar por um atendimento médico imediatamente. Evitar, hospitais é indicado até mesmo nesses momentos. Isso porque, nesse ambiente você está ainda mais exposta a possibilidade de ser infectado.

Qual a previsão para o surto se encerrar?

Infelizmente, algumas informações não podem ter previsão certa. Isso porque, por se tratar de um vírus novo, não se sabe sobre seu comportamento após a primeira infecção. Por exemplo, se o organismo criar uma resistência para esse vírus, o surto diminui de maneira natural, isolando alguns casos. Além disso, a cada dia novas informações surgem para ajuda no desenvolvimento de vacinas e medicamentos específicos. Mesmo que não se tenha medicação específica, pessoas diagnosticadas com o novo vírus estão recebendo os devidos cuidados.

Momento de quarentena

Governos ao redor do mundo tem determinado estado de emergência, obrigando quarentena. Isso significa que ninguém pode sair de suas casas, até segunda ordem. Só é permitido, então, que saiam de casas pessoas que trabalham em cargos essenciais para esse momento.

Essa decisão tem como objetivo conter a propagação do vírus que possui poder de transmissão e contágio muito forte. Então, é extremamente necessário evitar o contato social, assim como aglomerações e vivência com outras pessoas. Essa é, no momento, a única maneira realmente efetiva de diminuir e conter o surto de transmissão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Coronavírus: saiba todas as informações atualizadas!

Imagem de auxílio emergencial por causa do coronavírus.

Coronavoucher: 3 meses de auxílio aos autônomos